sábado, 9 de junho de 2018

Coluna do Júlio C. Cardoso - Não é este o Brasil de desigualdade que queremos

Coluna do Júlio C. Cardoso - Não é este o Brasil de desigualdade que queremos



Não é este o Brasil de desigualdade que queremos, onde a classe política só quer tirar vantagem e isso que ela é eleita para servir à sociedade e ao país.





Enquanto a sociedade se mantiver em estado de letargia, não se preocupando como o seu dinheiro está sendo usado sorrateiramente pelos políticos, estes continuarão se locupletando e a população carente, cada vez mais, esquecida na pobreza.





Pois bem, muita gente não sabe como o dinheiro do Tesouro Nacional é mal empregado, ou se sabe não se preocupa, mas está sempre reclamando da alta carga tributária do país. Trato aqui de duas situações absurdas de gastos com políticos e ex-políticos, que considero um acinte aos contribuintes e um desrespeito à população necessitada.





1. Plano de Saúde gratuito e vitalício de senadores, ex-senadores e familiares





Em 24/06/2012, o Estadão publicou excelente matéria informando que os senadores têm planos de saúde com mais privilégios entre os Poderes. E que benefício vitalício e sem restrição, pago pela Casa, atende até aos familiares de suplentes que ocuparam cargo por no mínimo seis meses.





A reportagem do Estadão é atualíssima porque persiste a indecência do Plano de Saúde do Senado Federal aos senadores, ex-senadores e familiares, de forma integral, vitalícia e gratuita, cuja concessão afronta os artigos 5º e 37 da Constituição Federal, bem como o respeito aos contribuintes brasileiros.





2. Subsídios Vitalícios de ex-governadores





Como se explica a imoralidade do injusto pagamento de pensão vitalícia a ex-governadores, não prevista na Constituição Federal e ainda existente em muitos estados da federação? Isso se explica pela deformação de caráter do político que confunde o público com o privado, vota leis em seu favor, e só quer tirar vantagem da coisa pública.





É uma vergonha que um mandato de governador lhe dê direito a uma prebenda vitalícia. E o absurdo é tão enorme que, segundo levantamento do G1, no Mato Grosso, Iraci Araújo Moreira, que foi vice do ex-governador Blairo Maggi, recebe mensalmente R 15.083,79, por ter assumido o cargo por alguns dias, durante as viagens internacionais de Maggi, e Maria Valquíria dos Santos Cruz herdou uma pensão de R$ 15.083,79 mensais. Ela é viúva de Evaristo Roberto Vieira da Cruz, que foi presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso e ganhou direito ao benefício porque exerceu o cargo de governador por 16 dias.





A verdade é que a indecorosidade corrói a dignidade dos políticos nacionais, com raras exceções, pois só querem levar vantagem. Fingem-se de homens públicos dignos, retos, honestos, honrados e responsáveis com a res pública, mas não passam, a maioria, de safadões, parlapatões, escroques e larápios da República.





Esses indecorosos homens públicos são os que votam as leis do país ao sabor dos seus inconfessáveis interesses e sempre estão se apresentando como candidatos nas reeleições, inclusive para presidente do país.





O trabalhador brasileiro honesto e que não vive das benesses políticas, ou é atendido no SUS, ou paga de seu bolso plano de saúde familiar. Mas os espertalhões do Senado Federal não se envergonham de desfrutar, sem terem contribuído com um só centavo, de assistência médica e hospitalar integral, vitalícia e gratuita, inclusive para pagar serviços ocorridos no exterior.





Júlio Cesar Cardoso / Bacharel em Direito e servidor federal aposentado




 

[caption id="attachment_247332" align="aligncenter" width="187"]Júlio César Cardoso Júlio César Cardoso[/caption] % #jornalmontesclaros%

Nenhum comentário:

Postar um comentário